Funcionamento: 2ª à 6ª, das 7h às 13h
(67) 3483-1142 / 3483-1144
Tamanho da fonte
A+
A-
Temperatura neste momento
Buscar

Previ Sapucaia realizou palestra sobre cálculo atuarial


Publicado em: 10/07/2017 12:07 | Fonte/Agência: Assessoria de Imprensa/ Email: imprensa@coronelsapucaia.ms.gov.br | Autor: Paulo Escobar

Previ Sapucaia realizou palestra sobre cálculo atuarial

O Consultor abordou tema como;os Investimentos dos Regimes Próprios de Previdência.

  Nessa quinta feira (06), na sala de reuniões da prefeitura, o palestrante Igor França Garcia, apresentou aos Conselhos, Fiscal, Administrativo, e representantes do PREVI SAPUCAIA a Situação Atuarial e Financeira do Regime Próprio de Previdência.

   Igor, consultor das previdências próprias do país e Assessor de Investimentos da Previ, esclareceu que o cálculo atuarial é um orçamento de expectativa de vida de cada pessoa e é preciso saber até quando ela irá consumir recursos da previdência. Assim quanto mais jovens são os previdenciários significa que mais recursos serão dispendidos, havendo a necessidade do aumento da alíquota de contribuição. Por lei, o servidor hoje deve contribuiu com 11%. Sempre que houver necessidade de aumento dessa alíquota para manter esse equilíbrio, deve ser aumentada a parte patronal.

   O Atuário e Consultor de Investimentos, envolveu como tema, os Investimentos dos Regimes Próprios de Previdência, mostrou os três principais riscos de investimentos, que são os riscos de mercado, crédito e liquidez e formas de amenizar esses riscos em investimentos.  Segundo o Consultor, “nossa orientação é para o investidor aplicar conforme seu perfil e necessidade financeira. Em resumo, aconselhamos não inventarem risco”.

 

    Igor finalizou, os regimes próprios são obrigados a investir, porque a inflação consome a arrecadação, não havendo necessidade de ganhos altíssimos, mas pelo menos equilibrar à inflação, não se trata de um processo especulativo. Esclareceu ainda que a previdência deve cuidar da aposentadoria e pensão e o assistencialismo como o auxílio doença, gerando um custo para a previdência e isso tem que ser, melhor negociado, comentou o consultor.